Skip to main content

Como desenvolver o hábito de estudar?

Por 11/11/2018janeiro 19th, 2019Dicas, Técnicas, Videos

Olá! Meu nome é Diogo Moreira, sou Auditor-Fiscal da Receita Federal e estou aqui para te ajudar a sair dessa “vida bandida” que é estudar para concursos.

Todos nós temos muitos hábitos bons e ruins. Aqui falarei como eliminar alguns hábitos ruins e como desenvolver um hábito em especial: o hábito de estudar!

 

Livro “Aprendendo a aprender” – Bárbara Oakley

 

Explicarei aqui alguns conceitos apresentados pela Bárbara Oakley no livro “Aprendendo a aprender”. A autora fala especialmente sobre como vencer hábitos, principalmente o hábito da procrastinação.

A verdade é que a procrastinação é um conjunto de hábitos, é um conjunto de gatilhos que te leva a continuar fazendo o que você já estava fazendo em vez de começar a fazer aquilo que você precisa fazer.

Eu vou abordar aqui diversos aspectos para poder ajudar você a alterar sua rotina e a desenvolver novos hábitos e caminhar mais na direção de conseguir estudar e menos na direção das distrações.

 

O ponto de partida fundamental é o conceito de que a sua força de vontade é limitada.

 

Esse conceito, na verdade, não está nesse livro, mas em outro livro chamado “Trabalho focado”.  É como se você acordasse todos os dias com uma quantidade de 10 forças de vontade, por exemplo. Você só será capaz de vencer 10 hábitos ruins, ou 10 obstáculos pela força de vontade que você tem.

No decorrer do dia você vai gastando essa quantidade de força de vontade que você tem e chega um ponto que você já não consegue mais brigar, você simplesmente levado pelas situações, levado pelos hábitos ruins.

A importância desse conceito da limitação da sua força de vontade é como você poderá fazer então para não depender dela. E a resposta é simples: criando hábitos melhores!

Os hábitos vão proteger a sua força de vontade. Você não vai ter que escolher, decidir ou mesmo pensar se vai fazer isso ou aquilo. Você vai simplesmente fazer. Ou seja, as suas atitudes não passarão por essa tomada de decisão, não irão requerer mais esse dispêndio de energia.

 

Para conseguir fazer o que você precisa fazer você precisa proteger a sua rotina – isso é fundamental!

 

O legar de ter lido esse livro hoje, 9 anos depois de quando eu estudei para concurso é que eu vi que muitas das coisas que eu fazia instintivamente (simplesmente porque eu sou muito pragmático) são coisas que a autora sugere que sejam feitas no livro, são formas de proteger sua rotina de modo a facilitar o seu estudo.

Por exemplo, eu comecei a estudar pelo computador através de PDFs. O resultado disso é que aquele símbolo do navegador de internet ficava ali me chamando atenção. Eu abria para dar uma olhada em alguma palavra nova de Direito Constitucional que eu nunca tinha visto, o que aquilo significava e, quando menos esperava, eu já tinha clicado para ver as notícias, tinha clicado em outros sites e ficava viajando em vez de estudar.

A minha resposta para isso foi bem clara e bem rápida: eu simplesmente tirei o computador do meu quarto. Quanto às palavras que eu não sabia, passei a anotar no papel e deixar para pesquisá-las depois para não atrapalhar o andamento do meu estudo.

Como já falei e diversos outros vídeos do meu canal no YouTube, eu também pegava o meu celular e deixava na sala! Colocava para vibrar, e não queria nem saber se estava tocando ou não. Naquela época, graças a Deus não tinha WhatsApp, não existia esse monte de mensagem instantânea que a gente tem atualmente.

A cada uma hora uma hora e meia eu fazia um intervalo e, se fosse necessário, dava uma olhada no meu telefone para ver se tinha alguma coisa importante, mas, enquanto estivesse estudando, nada.

Uma estratégia que muitos estudantes que fazem os seus deveres de casa utilizam é chegar da aula e fazer o dever de casa antes de qualquer outra coisa. Não tem distração, banho, videogame ou deixar para fazer o dever à noite.

Isso serve também para quem estuda para concursos via ciclo de estudos. Eu aconselho que simplesmente colocar o seu estudo na frente de tudo no seu dia. Quanto mais cedo você cumprir a meta, melhor (isso vai mais para quem fica em casa o dia inteiro ou então para quem estuda aos finais de semana).

Deixar tudo para depois faz, inclusive, com que fique aquele peso na sua consciência, por saber que ainda precisa das duas horas de estudo para cumprir a meta. Se você deixar para depois, você vai começar atrasado, vai terminar tarde, vai dormir tarde e aí começa aquela bola de neve.

Isso também vale para quem chega do trabalho e vai estudar. Quem chega do trabalho às 18:30, vai tomar um bom banho quente, depois jantar para então sentar e começar a tentar estudar não dará certo. Desculpa se você comer e tomar um banho quente estará pronto para dormir e não pronto para estudar!

Isso é uma coisa que sugiro para diversos alunos meus do coaching: chegar em casa do trabalho e ir direto estudar. No máximo fazer um lanchinho rápido e comer estudando, se possível, para não perder tempo.  Faça com que o banho e aquela refeição maior seja uma recompensa para aquilo que você fez que foi chegar em casa e cumprir suas obrigações no estudo para concurso.

 

Então, ao retirar as distrações do seu dia-a-dia de tudo estará facilitando que você sente para estudar.

 

Como disse anteriormente, eu tirei o computador do quarto e o celular também, coisas que pararam de ser uma distração. 

Se você, infelizmente, usa o celular para cronometrar suas horas de estudo, você precisará de um pouco mais de força de vontade. Se for o caso, você pode deixar o celular no modo avião.

Eu sei que você ficará tentado a tirar ele do modo avião para dar uma olhadinha, então você pode comprar um cronômetro analógico entra agora no site qualquer na internet compra um cronômetro de R$20,00 e mandar entregar na sua casa, isso vai resolver o problema!

Observe que uma coisinha pequena, que é de fácil resolução, não é resolvida naturalmente por nós. A verdade é que nós temos muitas distrações no nosso dia-a-dia e que muitas vezes a gente nem percebe e tem essas que, infelizmente a gente percebe, mas falta aquela força de vontade ou uma certa criatividade para resolver.

Os hábitos são particularmente poderosas se tiverem uma certa recompensa. Não se engane, seus hábitos ruins tem recompensa e muitas vezes você nem percebe.

Por exemplo, se você pegar o celular e dá uma olhada no Facebook tem a sua recompensa. Ver aquele selinho vermelho mostrando alguma coisa nova que está esperando a sua atenção no aplicativo é uma recompensa. Você se sente especial, você quer saber se tem alguém curtindo, visualizando, te enviando alguma mensagem – isso são “recompensas emocionais”.

As mídias sociais funcionam muito como as drogas, infelizmente. E não é à toa! Esse hábito negativo de ficar visualizando a todo o momento é recompensado sempre para se transformar em um ciclo vicioso.

 

Então, você tem que desenvolver recompensas também para quando você conseguir estudar.

 

Se você começar a estudar mais cedo, você ganha como recompensa parar de estudar mais cedo também, por exemplo. Isso era uma coisa que funcionava muito para mim.

Se eu começasse a estudar de manhã e continuasse a estudar até a hora de dormir, eu me sentia um idiota, um vegetal, alguém que não estava prestando para mais nada nessa vida a não ser estudar para concurso.

Por isso, eu defini uma certa quantidade de horas que era saudável para mim e eu fazia o máximo possível para terminar cedo. Qual era a minha recompensa por não estudar à noite? Eu me permitia ver um filme, jogar um videogame com meu irmão, fazer alguma coisa que me desse prazer e que fosse uma recompensa.

Defina uma carga horária que seja sustentável para você também! Não vá pelos outros. Julgue a si mesmo a partir de você mesmo. Não adianta saber que fulano de tal tá fazendo 8 horas de estudo todos os dias se você não aguenta fazer mais do que 5 horas de estudo. Respeite o seu limite e não fique se comparando aos outros pois esse é o caminho para a infelicidade e para os problemas.

Caso force demais, somente você vai começar a sofrer as consequências da cansaço depois e não os outros. Isso não vai ser uma recompensa, ao contrário, será uma punição. Pelo cansaço, no dia seguinte vai olhar para os livros e não querer estudar.

Você tem que fazer sempre um pouquinho a menos do que você aguentaria, porque isso vai fazer com que você termine de estudar e fique com mais vontade. “Eu poderia estudar mais, porém hoje eu já bati a meta, amanhã eu retomo.” – isso faz com que você fique na boa expectativa para poder continuar seus estudos no dia seguinte.

 

Existe também a recompensa de simplesmente conseguir cumprir o seu ciclo!

 

Ir concluindo pequenas metas de 60 minutos (ou a que você tiver estipulado para cada matéria) no tempo destinado ao seu estudo, anotar o que vem conseguindo cumprir em um controle de Excel, te trará mais motivação. Ter todas essas métricas no seu dia-a-dia vai fazer com que a cada dia você se motive mais, porque você verá que está cumprindo, que bateu a meta, fez a sua parte e isso é uma recompensa.

Conseguir estudar é algo que te motiva a estudar mais. Se você tá começando agora é importante ter em mente que quanto mais você estudar, mais você vai aguentar estudar e mais você vai gostar de estudar. 

No começo é difícil, você não tá tirando prazer daquilo, você está se sentindo muito burro porque não tá entendendo muita coisa, porque tá esquecendo tudo. Porém, quanto mais você insistir nisso mas a recompensa vai surgir.

Oriento os meus alunos dessa maneira: “Você não vai ganhar ritmo de estudo em pé na cozinha bebendo água, vai ser sentado na cadeira olhando para o livro ou PDF, mesmo que você tenha que rever o mesmo parágrafo 5 vezes até conseguir se concentrar.”

 

Outra coisa importante que poderá te ajudar é a comunidade é você estar em contato com pessoas que pensam da mesma forma que você e estão estudando para concurso.

 

Tenha contato com essas pessoas, partilhe o seu mundo com elas. Nem sempre é fácil essa vida de estudante para concurso. Muitas vezes esse caminho é bastante solitário, bastante monótono, você não tem contato com quase ninguém, mas isso ajuda bastante.

Eu já falei várias vezes também que eu tinha uma amiga com quem mantinha uma comunicação naquela época do estudo para concurso. Nós separávamos algumas horas para trocar informações.

Na Academia Prof. Diogo Moreira, criei um espaço de fórum fechado, uma comunidade exclusiva em que os alunos podem conversar entre si. Ali eu coloco ideias, temas para discussão, assuntos diversos e acontece troca experiências também. Isso agrega valor para todos!

Não pense que se você trocar uma informação com seu concorrente você vai estar ajudando ele. As duas pessoas crescem! Vocês estarão se ajudando.

 

A autora do livro que citei no início desse post fala também do “contraste mental” – que é a comparação do que você tem vivido hoje e a vida que pretende alcançar. 

 

Comparar a vida que você está levando hoje as dificuldades que você tá passando hoje e aquilo que você quer alcançar após aprovação é bom. É legal ter, por exemplo, uma foto do carro que você quer comprar, uma foto dos países que você quer conhecer alguma coisa assim.

Porém, cuidado para não sonhar acordado demais. O seu objetivo atual ainda é estudar para passar no concurso. A vida que vai vir depois é consequência. Seu objetivo hoje não é ser aprovado, seu objetivo a cumprir hoje, cumprir a meta de amanhã, é acertar mais questões na semana que vem do que você acertou nessa semana, o resto é consequência.

Ninguém consegue ter uma força de vontade gigante para ser aprovado, mas consegue sim tem uma força de vontade enorme para estudar e fazer a sua parte.

A autora se refere a isso comparando a concentração no produto com a concentração no processo. É muito melhor se concentrar no processo!

Qual seria o produto? A aprovação e a sua vida depois da posse no cargo. O seu resultado não vai vir focando no produto, mas sim focando no processo e o processo e tentando melhorar esse processo. 

Tente melhorar esse processo de estudos trançando metas. Trace uma meta diária, trace uma meta semanal e não trace um objetivo muito vago, por exemplo: vou estudar muito nos próximos 6 meses… não funciona assim.

Foque hoje em cumprir o estudo de cada matéria, depois aumentar um pouquinho essa meta diária, ou seja, foque nessas coisas mais próximas, naquilo que você tem que fazer no dia.

É como se você olhasse um livro de Direito Administrativo e falasse: “Nossa, esse livro tem 1.200 páginas, então eu não quero ler tudo isso!” Dessa maneira você tá pensando no produto (meta final).

Mas, se você pensar: “Eu tenho que ler 30 minutos Direito Administrativo”, aí sim você está pensando no processo e esse processo é fácil! Ler 30 minutos do livro é muito mais fácil e, em geral, produz muito menos resistência do que ler o livro inteiro. Foque no processo!

 

E essa é a estratégia por trás da técnica chamada de “técnica pomodoro”.

 

O nome é meio polêmico mas dizem que é porque o cara que inventou a técnica tinha um cronômetro que era em formato de tomate.

Essa técnica consiste simplesmente em trabalhar em blocos de 25 minutos. Se você tem que estudar, você vai estudar durante 25 minutos totalmente focado no que você tem que fazer.

O objetivo não será mais ler o livro Direito Administrativo, o objetivo passará a ser ler sem parar nos próximos 25 minutos. Dessa forma, fica muito mais fácil você se livrar de outras distrações.

Essa técnica é muito boa para quem está enfrentando dificuldade de sentar a bunda na cadeira para estudar, para quem está com dificuldade de concentração, quem fica pensando na vida, fica pegando objetos que estão em volta…

Eu só não recomendo utilizar a técnica pomodoro para sempre, porque ficar quebrando seu estudo a cada 25 minutos não é o ideal. Mas você vai ver que, naturalmente, se você cumprir esses blocos de 25 minutos, você vai aguentar estudar mais tempo.

Pode ser que depois você consiga se livrar da técnica Pomodoro e vá aumentando para 30, 35, 40 minutos de cada vez.

Uma outra vantagem é que trabalhar com esse relógio do seu lado vai te dar uma certa pressão, pois você vai precisar avançar o na matéria o máximo possível nesse tempo.

Essa pressão não é estressante, ela é uma pressão do bem, porque vai chegar um belo dia ensolarado em que você vai entrar numa escola municipal e vai fazer um concurso e nesse dia a pressão vai ser muito maior, vão ter todos aqueles fiscais olhando, toda, pressão do tempo e que você se acostumar com essa pressão o quanto antes você vai se sentir muito mais tranquilo no dia da prova.

 

Outra coisa importante é você não fazer muitas tarefas ao mesmo tempo.

 

Não faça muitas tarefas ao mesmo tempo ou não pare de estudar e já vá direto fazer outra coisa, por exemplo. Se você terminou em 60 minutos de leitura Direito Constitucional e já pegar o celular para entrar no Instagram, Facebook e tudo mais, pode ter certeza de que aquilo que você acabou de ler os últimos 10, 15 ou 20 minutos está sendo esquecido de forma mais rápida.

Você estará trocando a atenção do seu cérebro muito rápido e não estará tendo tempo de “digerir” aquilo que você acabou de ler.

O que eu fazia? Eu via 60, 90 minutos da matéria e fazia intervalos. Nesses intervalos eu gostava de deitar na minha cama para esticar as costas. Nesses 5 a 10 minutos que eu passava deitado ali era legal para relembrar um pouco das coisas que eu tinha acabado de ler. Isso faz com que você assimile a matéria melhor.

Então, não troque sua atenção muito rápido. Se você acessar o Facebook nos intervalos, o seu cérebro irá constatar que é muito mais importante para você as mídias sociais do que Direito Constitucional, por exemplo e você vai começar a perder conteúdo muito rápido.

A autora fala no livro, mais precisamente na página 117, que se você começar a ter que reler várias vezes o mesmo parágrafo  e não lembrar do que acabou de ler, ou seja, estiver perdendo a concentração, seria interessante parar e fazer alguns polichinelos, algumas flexões, algumas abdominais. Isso vai te ajudar a ganhar o ritmo novamente a concentração novamente.

Esse livro “Aprendendo a aprender” da Bárbara Oakley é bastante extenso e tem muita coisa legal, pretendo gravar mais vídeos sobre isso também

Deixe seu comentário aqui embaixo, se alguma dessas técnicas funcionou para você ou não ou mesmo se você tem alguma outra técnica diferente.

É isso! Muito obrigado e até a próxima!

 

E-BOOK “APRENDENDO A APRENDER” – BÁRBARA OAKLEY

 

Neste livro, a Professora Barbara Oakley mostra como você pode aprender e aperfeiçoar-se muito mais fácil e rapidamente aplicando técnicas comprovadas pela pesquisa e usadas por peritos nos campos da arte, música, literatura, ciências, esportes e muitas outras disciplinas.

Você aprenderá como o cérebro usa dois modos diferentes de aprendizagem e como ele encapsula as informações, e verá o que você deve fazer para tornar esse processo mais eficiente. Clique abaixo para saber mais:

 

 

ESTUDE COMIGO DURANTE 12 MESES!

 

O Coaching (mentoria ou consultoria) é um atendimento em grupo. Eu faço o seu planejamento de estudos inicial, dou acesso a dezenas de vídeos exclusivos com técnicas de estudo e abro espaço para todos os alunos conversarem e trocarem experiências de como estão estudando. CLIQUE AQUI para saber mais!

 

 

E-BOOK GRÁTIS – 9 PASSOS QUE ME LEVARAM À APROVAÇÃO EM 9 MESES

 

Neste eBook, conto minha trajetória e explico passo a passo o que você deve fazer para extrair o máximo dos seus estudos para concursos públicos:

 

9 PASSOS QUE ME LEVARAM À APROVAÇÃO EM 9 MESES

 

SAIBA MAIS:

 

ACORDAR ÀS 5 HORAS DA MANHÃ PARA ESTUDAR!

DESCUBRA COMO VENCER O CANSAÇO CRÔNICO

 

E se você quiser conferir mais dicas sobre concursos como essa, coloque o seu e-mail no campo “Receba novidades” no final desta página, para receber novas postagens.

Me siga nas redes sociais para acompanhar mais conteúdo a respeito de concursos públicos.

Muito obrigado e até a próxima!

 

Compartilhe este post por meio dos links abaixo:

 

Deixar comentário

Quer receber mais informações e ajuda sobre este e outros concursos?