Planejamento, plano de estudos, ciclo de estudos, grade horária, chame do que quiser. Ele é a peça mais importante no estudo para concursos.
Cada disciplina tem diferentes TAMANHOS, IMPORTÂNCIA e GRAU DE DIFICULDADE. Por isso, não faz sentido que você gaste o mesmo tempo com todas. Algumas merecem mais a sua atenção do que outras. E vou além: algumas têm que ser estudadas desde cedo. Outras, não.

Voltando ao exemplo de AFRFB:

Foram cerca de 17 disciplinas no último concurso. Algumas tinham peso 2, algumas eram grandes, outras eram pequenas, outras foram cobradas com grau de dificuldade maior. E ainda há o fator pessoal: você pode ter facilidade com Direitos e ser ruim de Exatas, precisando, então, dar mais tempo a essas.

E você estuda as 17 ao mesmo tempo? Não. Se está começando, você deve escolher entre 4 e 8, a depender de quantas horas por dia você terá para estudar. Normalmente, começamos com as chamadas “6 disciplinas básicas da área fiscal”. Elas caem em todas as provas da área fiscal e são cobradas com grau de dificuldade maior. São elas: Português, Matemática/Raciocínio Lógico, Contabilidade e os Direitos Constitucional, Administrativo e Tributário. Você deve adequar isso à Bibliografia que você escolheu.

No vídeo abaixo, eu falo sobre Ciclos de Estudo e Revisões:

Ciclos de estudo são uma ordem predefinida de matérias a serem estudadas e por quanto tempo. Você estuda A, depois B, depois C, depois D, depois A de novo e o ciclo reinicia.

É simples. Quanto tempo cada matéria? Depende da importância e da sua dificuldade. Mais tempo para as mais difíceis, menos tempo para aquelas em que você tem facilidade.

Se quiser saber mais sobre ciclos de estudos, confira meu eBook GRÁTIS “9 Passos que me levaram à aprovação em 9 meses”!

Revisões periódicas são importantes, leia sobre elas depois. Por enquanto, vamos falar de outro aspecto importante: AMBIENTE DE ESTUDOS.