Skip to main content

Mais medidas de ajuste fiscal do governo

O governo editou mais algumas medidas de ajuste fiscal por meio de Medida Provisória ontem, dia 30/outubro. Essas afetam diretamente as carreiras do Poder Executivo Federal, Auditores da Receita Federal aí incluídos.

A primeira delas é o aumento da contribuição previdenciária dos servidores que recebem mais de R$ 5.000,00 por mês, de 11% para 14%. Em outras palavras, as principais carreiras do Executivo acabaram de sofrer uma redução de 3% no salário.

Na hora de reclamar dos altos custos da Previdência, a população e a mídia sempre apontam os servidores públicos como vilões por causa de sua “aposentadoria integral”. Sempre me impressiona quando vejo isso, pois é uma desinformação gigantesca, e mesmo assim “grandes” jornalistas insistem em repetir.

O que nunca se fala: para ter uma aposentadoria maior, o servidor público tem uma contribuição maior.

Contribuímos com 11% do nosso salário bruto todos os meses. Se o salário for de R$ 20.000,00, temos aí uma contribuição de cerca de R$ 2.200,00 por mês. Enquanto isso, o resto da população contribui no máximo com R$ 608,44 e em contrapartida tem limite de R$ 5.531,31 no benefício. Servidor público não tem teto de contribuição, por isso não tem teto de benefício.

Entretanto, a aposentadoria integral já se foi. Eu que ingressei em 2010 no serviço público vou me aposentar com cerca de 80% do salário (haja conta para saber exatamente). Quem entrou a partir de 2013, então, está obrigatoriamente sob o Funpresp: contribuição e benefício limitados aos tetos do INSS e o resto em previdência complementar, por fora do Regime Próprio de Previdência Social (regime dos servidores). Mas isso é papo para outro post.

Além do aumento na alíquota de contribuição, outra medida de ajuste fiscal anunciada foi o adiamento dos reajustes nos salários previstos para janeiro/2018. Foram adiados para 2019. Isso significa, para os Auditores da Receita Federal, quase R$ 10.000,00 a menos no ano que vem.

Além disso?

Na mesma MP, o governo estendeu o prazo do Refis. Sabe o que é? Perdão de dívidas de empresas (redução de multa e juros a níveis irrisórios).

Quer mais?

O MPOG resolveu não apenas congelar, como DESFAZER a progressão na carreira para alguns Auditores que tinham progredido agora em setembro. A alegação? Não está regulamentada a nova progressão. Quem ficou de regulamentar? O MPOG.

Resultado disso?

Auditores-Fiscais da Receita Federal em greve a partir de primeiro de novembro.

 

Se você gostou deste post, compartilhe.

Deixar comentário

Quer receber mais informações e ajuda sobre este e outros concursos?