Skip to main content

Autoconfiança e mentalidade de APROVADO

Olá! Meu nome é Diogo Moreira, sou Auditor Fiscal da Receita Federal e estou aqui para te ajudar a sair dessa “vida bandida” que é estudar para concurso.

Quando você sentirá que está pronto para a prova? Como desenvolver a confiança e a mentalidade de quem consegue passar e ser aprovado? Como cultivar essa confiança? Confira!

 

Autoconfiança e mentalidade de aprovado antes e durante a prova. Como alcançar?

 

A falta de autoconfiança é seguramente um mal que assola todos os concurseiros, eu diria todos mesmos ou 99,9% dos concurseiros. Ninguém nunca acha que está pronto, que agora é a hora e a vez do concurseiro passar na prova.

Todo mundo tem muitas inseguranças e vai para a prova sem saber o que vai ser. Isso é explicado por algo muito simples: quanto mais você sabe, mais sabe que não sabe. “Tudo que sei é que nada sei”, lembra dessa frase de Sócrates?

Quanto mais você conhece a matéria mais vê que ela tem muitos detalhes, divergências e decorebas absurdas. No começo dos seus estudos você nem sabe que isso existe e acha que com dois meses de estudo vai passar para Receita Federal ou com um mês para o TCU, isso é normal.

Após isso, você se aprofunda e chega na fase de depressão quando vê o absurdo de quantidade de matérias que tem para estudar e a complexidade de cada uma.

Você estuda a teoria e imagina que aquele assunto nunca será cobrado, que é pura decoreba e sem a menor importância, entretanto, para sua surpresa aparece uma questão que cobrou exatamente esse assunto. Após dois ou três meses estudando para concurso você passa por essa fase.

 

Mas como você adquire a mentalidade e a autoconfiança de um aprovado?

 

Eu digo sempre aos meus alunos que a autoconfiança vem da sensação de dever cumprido. Você nunca vai conseguir saber que você está pronto para a prova. Isso não existe e esse sentimento não vem.

Entretanto, no dia da prova você olhará para trás e dirá: eu fiz o melhor que podia, pela quantidade de horas, pelo material, pela estrutura que eu tinha. Isso é consciência limpa e a autoconfiança vem daí.

Você nunca vai ser confiante falando: “estudei 40 horas líquidas por semana e estou pronto para essa prova”. Por quê? Porque alguém estudou 50 ou 60 horas líquidas (parece impossível, mas acontece).

Nisso você perde a autoconfiança porque 40 horas líquidas não é o suprassumo (se você estuda 20 horas líquidas por semana, saiba que muitos ou a maioria dos aprovados estuda 20 horas líquidas por semana antes do edital).

 

Não importa o quanto você estudou, e sim que você tenha feito o seu melhor.

 

É assim que você vai tranquilo (a) para o dia da prova. Medir seus percentuais de acertos também é importante e vai lhe ajudar a se sentir um pouco mais confiante. Se você está acertando mais questões, você está evoluindo. Isso é fundamental porque acertar questões é o que difere o aprovado do reprovado.

Entretanto, qual o percentual de acertos ideal? Quanto você tem que estar acertando as questões do pdf ou do site de questões? Varia. Algumas pessoas vão muito bem no site de questões e reprovam. Outras acertam mais ou menos e são aprovadas.

Existem inúmeros fatores, tanto o fator emocional na hora da prova quanto até mesmo o fator sorte de, por exemplo, ter chutado corretamente uma ou duas questões a mais do que a média e ter ganho algumas posições com isso. Tudo isso faz parte e está fora do seu controle.

No livro “Os sete hábitos das pessoas altamente eficazes”, o autor fala do círculo de influência e do círculo de preocupação. Eles têm que estar muito próximos. Você só pode se preocupar com aquilo que você é capaz de influenciar.

Se a prova não está sob sua influência, de como foi feita, quais os assuntos serão cobrados, ou seja, nada disso você tem como mudar, então não se preocupe com isso.

Você tem que se preocupar com aquilo que é capaz de influenciar que é sua rotina de estudos, fazer o melhor dia a dia, estudar corretamente, ter disciplina, cumprir suas metas. Foque nisso. Cuide dos dias que os meses passam.

 

Uma boa preparação, longa de um ou dois anos, é feita dia a dia.

 

E em relação à mentalidade antes e durante a prova? Qual a mentalidade que você tem que ter? Como você deve encarar a prova? Primeiro é retirar o peso que você está dando para a prova.

Claro, você estudou meses para aquela prova, seu futuro está em jogo, todo mundo sabe disso, mas não fique pensando nisso. Não pense que aquele dia é o derradeiro, que vai fazer a grande diferença no resto da sua vida. Não funciona assim! Existem muitos concursos e mesmo que você não passe nesse, virão outros. Diminua o peso!

Eu fiz isso absurdamente bem. Retirei tanto peso da prova que não me deixava pensar em como seria o dia da prova, ou o que será da minha vida depois que for aprovado, não pensava que faltavam cinco ou quatro semanas para a prova. Não pensava nisso, mas controlava meu estudo diário, meu foco era o hoje, em quais metas teria de cumprir hoje.

Pensava que era só mais uma prova, depois teriam outras e tentarei de novo, sem deixar que isso reduzisse a minha garra. Foi uma mudança de foco, não tirei a importância a ponto de falar: “não vou estudar porque essa prova não é importante.”.

Não é assim. Não me deixava pensar nessas coisas e falava: “calma, é mais uma prova, vou sentar no dia e fazer questões, é só isso e não tem nada demais, todo o resto está na minha cabeça.”

 

Isso gerou alguns resultados interessantes.

 

Lembro-me que no dia da prova de Auditor da Receita Federal de 2009 eu fui zen, estava quase apático, cheguei cedo, quase cochilei sentado na cadeira antes de começar a prova, realmente virei um zen budista sentado, calmo, respirando tranquilo, controlando meus pensamentos. Estava realmente muito relaxado, isso me ajudou e tenho certeza que ganhei muitos pontos simplesmente por estar relaxado.

Lembre-se: sua memória consciente (quando você faz uma força e se lembra) é limitada, mas o chute, o insight, quando você fica entre duas questões e escolhe a certa, vem de uma certa paz de espírito, de um relaxamento e tranquilidade e é aí que sua memória inconsciente é ativada.

Um outro aspecto interessante desse meu relaxamento e desprendimento para com a prova foi que quando saiu o resultado eu nem fiquei tão feliz. Eu tinha tirado tanto a importância daquilo que quando saiu o resultado eu falei: “legal, passei, acho que vou voltar a dormir”.

Tanto foi assim que no dia que ia sair o resultado da prova objetiva eu tinha acordado onze horas da manhã. Eu levei ao extremo, mas isso me ajudou. Certamente me fez ganhar muitos pontos porque me lembro claramente que eu chutei muita questão certa, especialmente nas exatas.

Portanto, mantenha seu foco no seu círculo de influência, naquilo que você é capaz de controlar e tire o peso da prova. Não fique pensando e “viajando na maionese” imaginando como será sua vida de aprovado. Foque sempre na meta que você tem que cumprir hoje.

 

SAIBA MAIS:

Concurso SEFAZ-AL: Análise do edital e dicas de estudo! Auditor de Alagoas

PCDF e Senado (Policial Legislativo) ao mesmo tempo?

Concurso Senado: Policial Legislativo – Como estudar!

 

E se você quiser conferir mais dicas sobre concursos como essa, coloque o seu e-mail no campo “Receba novidades” no final desta página, para receber novas informações semanalmente.

Me siga nas redes sociais para acompanhar mais conteúdo a respeito de concursos públicos!

Muito obrigado e até a próxima!

 

Compartilhe este post por meio dos links abaixo:

Deixar comentário

Quer receber mais informações e ajuda sobre este e outros concursos?