Skip to main content

SAIA do VERMELHO para concurseiros e concursados

Olá! Meu nome é Diogo Moreira, sou Auditor Fiscal da Receita Federal e estou aqui para te ajudar a sair dessa “vida bandida” que é estudar para concurso. Esse vídeo é sobre finanças pessoais e indicado para você que é concurseiro ou concursado.

Algumas dicas de quem sempre lidou bem com o dinheiro e se estressa quando lida mal.

Dicas práticas de como não ser escravo do dinheiro, como não estar sempre no vermelho e minha humilde história desde quando era desempregado. Hoje sou Auditor da Receita Federal, casado com uma Auditora, tenho uma vida financeira boa e equilibrada, mas nem sempre foi assim.

Já fui um universitário que ia de chinelo para a aula, não tinha dinheiro nenhum, depois comecei com um emprego muito pequeno antes de passar nesse concurso.

Vou relatar algumas dicas práticas do que fiz, do que já encontrei na minha vida de desafio financeiro e como resolvi. Dicas práticas que você pode adotar e se você ouvir a minha dica e não praticar, então é porque você não quer melhorar sua vida financeira.

A culpa é toda sua. As dicas não são cumulativas, você pode fazer umas e não fazer outras, mas recomendo que faça todas.

 

1ª Dica: Nunca parcele.

 

Por que as empresas no Brasil quebram? Porque não tem capital de giro e não fazem controle de fluxo de caixa. Se você tem cartão de crédito e não faz um controle do seu capital de giro e não faz um controle de fluxo de caixa, então você é igual a uma empresa brasileira que está prestes a quebrar.

A diferença é que você tem o seu salário e vai se endividando. A empresa quando quebra, quebra de uma vez. As pessoas normalmente não quebram de uma vez.

Nunca parcele!

Ou você tem um controle de quais parcelas, quanto são essas parcelas e quanto tempo elas vão durar ou você está se enfiando num buraco de dívida eterna sem ter como sair dele.

Se, por exemplo, você tem um salário de R$ 1.000,00 e gasta seu salário inteiro e, em determinado mês, precisou comprar uma geladeira nova. Você não tem dinheiro, mas compra e parcela no cartão.

Com uma parcela de R$ 100,00 por mês, quanto você vai receber de salário no próximo mês? R$ 1.000,00? Não! Você terá apenas R$ 900,00 e provavelmente passará os próximos 10 ou 18 meses com esse salário porque aqueles R$ 100,00 não lhe pertencem mais.

Se você consegue fazer um empréstimo consignado, ele sai direto da sua conta e esse exemplo fica um pouco mais claro. Entrava na sua conta um salário de R$ 1.000,00, agora entra R$ 900,00.

Quando você faz uma compra em cartão de crédito, entra na sua conta um salário de R$ 1.000,00 e você não lembrará dos R$ 100,00 parcelado.

Esses R$ 900,00 não são suficientes para você viver, então faz uma outra compra parcelada de algo que precisou muito, a outra parcela é de R$ 50,00. Agora seu salário é de R$ 850,00, e assim por diante.

Após isso começa a dar calote em alguém, pede dinheiro emprestado para o cunhado ou primo. Você vê seu salário indo embora, na verdade você nem vê e simplesmente vai embora sem olhar para trás e dizer adeus ou um beijo para você.

 

Nunca parcele! Se você não fizer um controle de para quanto está virando o seu salário, nunca parcele.

 

Aqui vai uma história íntima e pessoal: quando conheci minha querida esposa, ela tinha várias compras parceladas. Ela era solteira, ou seja, era um ser fora de controle. Entrei na vida dela e disse: tenho meu salário de Auditor (era bom e era metade do que era hoje, praticamente seis anos atrás) e viajo todo ano.

Pagava um aluguel alto porque gostava e gosto de morar bem e viajava todo ano porque juntava um pouco cada mês e, quando chegava a época da viagem, eu tinha esse dinheiro guardado.

Como faço isso? Nunca parcelo nada! É a regra mais simples, clara e honesta.

Minha esposa disse: ok, não vou parcelar mais nada, vou encarar esse desafio, não sei se vale a pena esse casamento dessa forma, mas vou encarar.

Depois de uns 4 ou 5 meses ela me disse que estava com saudades de parcelar e queria comprar um sapato. Perguntei quanto de parcela ela queria e ela informou que de até R$ 300,00.

Entretanto, quando olhei a fatura do cartão ele já possuía R$ 600,00 de parcelas, ou seja, ela não tinha feito mais compras parceladas, mas ainda existia esse valor e ela nem sabia.

 

Você não sente a parcela.

 

Se isso não foi suficiente para lhe convencer você está fadado à pobreza, mas você não vai ser pobre mais, entretanto, quero que você viva bem e seja feliz.

A partir do momento que você parar de parcelar suas compras, sobrará algum dinheiro e até o final do mês verá que esse dinheiro sumirá. Era um dinheiro que era para ter sobrado e não sobrou. Isso nos leva à segunda dica.

 

2ª Dica: separe o investimento no 1º dia.

 

Investimento sem sentido rebuscado, nem que seja para colocar na poupança.

Você pode programar que esse dinheiro vá automaticamente para poupança todos os meses.

Eu, durante alguns meses, fui chefe de divisão na Receita Federal. Recebia por isso e não queria que esse valor fosse incorporado ao salário. Aquele valor da chefia era automaticamente colocado na poupança todos os meses e vivia com meu salário normal.

Quando saí da chefia não fez diferença nenhuma na minha vida. Era um extra (claro que gastava com viagens e outras coisas), mas não sofri quando parei de receber.

Separe o dinheiro no primeiro dia. Eu tenho duas contas, recebo meu salário pela Caixa por causa de um financiamento imobiliário, separo um valor para a poupança e o restante transfiro para o Banco do Brasil porque acho a Caixa ruim.

 

3ª Dica: viva abaixo da variação.

 

Umas das mais importantes e de difícil implementação porque requer um pouco mais de força de vontade, mas é a que vai lhe trazer um maior conforto psicológico e lhe deixará tranquilo (a) para viver bem sem estresse e sem ficar entrando em cheque especial.

Essa dica é para o autônomo. Para aqueles que ganham mais em um mês e menos em outros, é para o pequeno empresário que não sabe quanto vai ganhar no mês seguinte.

Sua renda é variável e qual o segredo para a sua felicidade? Viver com as despesas fixas abaixo da variação. Se viver abaixo da variação, nunca vai sofrer com a falta de dinheiro, nunca vai entrar no cheque especial, nunca vai ter que pedir dinheiro para o seu pai, mãe, cunhado, tia etc. Você terá sempre o dinheiro que precisa para ser feliz.

É difícil porque é uma tentação. No mês que você ganhou uma bolada (principalmente para você que é comissionado) gastou tudo e ainda fez uma compra parcelada. Nesse mês você ganhou R$ 4.500,00, mas no mês seguinte, R$ 3.500,00 e no próximo, R$ 2.500,00.

No fundo você sabe que seu valor é R$ 4.500,00 e você continua gastando esse valor mesmo com essas variações nos meses seguintes.

 

Isso é psicológico.

 

O que você faz com o dinheiro que sobrou (aquele acima da variação)? Uma parte você pode gastar com a “farra”, dê uma recompensa para você mesmo, outra parte faça uma reserva de emergência.

Reserva de emergência é muito sério. O ideal é que você tenha de 3 a 6 meses de salário guardado. Em caso de desemprego repentino, por exemplo, não ficará em desespero, fome e miséria na semana seguinte.

Essa emergência não é para comprar aquela geladeira nova, mas para o caso de cataclisma ou armagedon na sua vida financeira.

Se você estiver ok com essa reserva de emergência, então junte dinheiro para realizar uma viagem ou fazer um investimento. A Nath Arcuri do “Me poupe na web” disse que viveu durante muito tempo com apenas 30% do salário e investiu todo o resto.

Viver com 30% é complicado, mas viva com no máximo 80% do seu salário, tente investir 20%, isso fará uma enorme diferença no seu futuro.

Mesmo hoje, sendo funcionário público, invisto 10 a 15% de boa parte do meu salário todos os meses.

No caso de uma pequena empresa, faça investimento. Você tem que ter uma reserva financeira, ter um capital de giro, que é uma grana que fica na sua conta, que às vezes diminui e às vezes ela aumenta.

Se surgir uma oportunidade de fazer uma compra grande, gaste essa reserva, mas depois reponha. Teve outro problema, como vendas abaixo do esperado, utilize essa reserva, mas depois reponha.

Se você estiver zerado, irá para o cheque especial e zera quando entrar dinheiro, ou juros de empréstimos e, dificilmente, você volta de muitos juros. Então, tenha uma reserva.

Eu faço isso na minha vida pessoal. Sempre tenho uma grana guardada na poupança e ela funciona como se fosse meu cheque especial.

Se em determinado mês eu tenha que gastar com algo e faltar um pouquinho, esse dinheiro resgato da poupança, mas no mês seguinte eu reponho. Assim você evita pagar juros para o banco.

Para pequena empresa, faça investimento. Primeiro você tem que ter o capital de giro e quando o capital de giro estiver ok, comece a pensar em investimento. Assim você poderá desenvolver sua empresa.

 

4ª Dica: Se precisar reduzir despesas, seja radical.

 

Essa dica é sagaz, importante, você sabe que ela é necessária, mas nunca faz. Eu fiz.

Quando passei no concurso da Receita comecei a ganhar uma grana boa, achei que aquele salário era infinito e comecei a gastar com tudo. Comprava móveis, televisão, sofá, troquei de carro (financiei parte do carro) e, de repente, começou a faltar dinheiro.

Em 2010, de um salário de R$ 1.500,00 para um salário de R$ 10.000,00 líquido e, depois de seis meses, estava endividado e não conseguia sair do cheque especial.

Aprendemos a gastar dinheiro muito rápido e fácil.

O que eu fiz? Reduzi meu pacote da NET, reduzi meu plano de telefone, de TV por assinatura, parei de pedir no ifood ou Uber Eats? Não! Isso não resolve sua vida.

Eu fui radical quando precisei alterar minha vida financeira.

Não estava conseguindo pagar o carro, entrando no cheque especial, sem conseguir cobrir despesas. Simplesmente vendi meu carro com apenas 7 meses de uso, era 0 Km. Vendi e fiquei a pé.

Morava em uma cidade do interior (quando passei fui morar no Chuí) e pegava carona todo dia para ir ao trabalho. Morava em uma casa grande (na época morava com minha noiva), terminamos o noivado, ela foi embora, entreguei a casa grande, paguei uma multa do aluguel e fui morar em um quarto alugado em uma outra casa.

 

Fazendo apenas essas mudanças, em dois meses sobrou metade do salário.

 

Não é o seu pacote da Vivo ou da NET, isso não vai mudar sua vida, mas o que vai mudar é cancelar TV a cabo de uma vez, é vender seu carro ou se mudar para um outro lugar mais barato.

Se o seu negócio for ganhar mais dinheiro, quem sabe sendo aprovado em um concurso público bom, então esse canal no Youtube (Prof Diogo Moreira), meu site (profdiogomoreira.com.br) e o Instagram (@profdiogomoreira) são para você com muitas dicas.

Assista todos meus vídeos no Youtube, visite meu site para conhecer meu programa de Coaching e E-books. Tenho várias formas que lhe ajuda a estudar para concurso e sair dessa vida “bandida” que é estudar para concurso ou viver endividado.

 

 

SAIBA MAIS:

Concurso público: meus melhores vídeos de 2019!

Concurso PCDF: Prova de Agente será parecida com a de Escrivão?

Estudar para concursos da Área Fiscal permite fazer qualquer outra prova?

 

E se você quiser conferir mais dicas sobre concursos como essa, coloque o seu e-mail no campo “Receba novidades” no final desta página, para receber novas informações semanalmente.

Me siga nas redes sociais para acompanhar mais conteúdo a respeito de concursos públicos!

Muito obrigado e até a próxima!

 

Compartilhe este post por meio dos links abaixo:

Deixar comentário

Quer receber mais informações e ajuda sobre este e outros concursos?