Skip to main content

A APROVAÇÃO não vem aos poucos

Olá! Meu nome é Diogo Moreira, sou Auditor Fiscal da Receita Federal e estou aqui para te ajudar a sair dessa “vida bandida” que é estudar para concurso.

Como é e o que você pode esperar da sua evolução à medida que você for fazendo várias provas de vários concursos. Veja a seguir.

 

A aprovação em concurso não vem aos poucos.

 

Ela não acontece devagarinho, com você ficando cada vez melhor, uma prova depois da outra, aumentando seu percentual de acerto. Não costuma ser assim.

Se você já me segue no meu canal do Youtube, então sabe que poucas semanas atrás entrevistei minha esposa, auditora do Tribunal de Contas do Distrito Federal. Ela contou a sua enorme trajetória no mundo dos concursos.

Ela contou algo interessante. Ela fez duas provas em dois fins de semana seguidos e conhecia boa parte das matérias das duas provas, mas não conhecia todas as matérias de nenhuma dessas duas provas. Em um final de semana ela fez uma prova e no outro, a outra prova.

No primeiro fim de semana fez a prova do Senado e foi muito mal. Ficou chateada e arrasada. No fim de semana seguinte fez a prova do Tribunal de Contas do DF, matérias que ela tinha estudado, mas nem tanto assim e nem todas. Estudou apenas uns 4 ou 5 meses para essa prova e foi aprovada.

Foi muito mal em um fim de semana e foi aprovada no fim de semana seguinte. Por que que isso acontece? Nossa tendência é pensar que estamos sempre evoluindo nos estudos e, se você não parar ou fizer aquelas pausas prolongadas ou procrastinar demais, isso é verdade, você vai evoluir pouco a pouco.

Aqui nesse canal do Youtube, para os meus alunos do Coaching e nos meus Ebooks sempre ensino as técnicas de estudo que levam a uma evolução constante e gradual. Sim, você vai evoluir dessa forma nos seus estudos.

Você vai escolher diferentes assuntos, treinar, fazer muitas questões, vai melhorando aos poucos, vai revisar o que errou, vai fazer um caderno de erros para anotar aquilo que você está errando com frequência, vai decorar aqueles assuntos que você está errando e os difíceis.

 

E, assim, você vai evoluindo pouco a pouco.

 

A tendência, a cada passada pelos assuntos, é aumentar seu percentual de acerto. Mas, não é necessariamente dessa forma quando você faz diversas provas de concursos. A grande questão é que existem inúmeros fatores que vão te levar à aprovação. São muitos fatores que vão influenciar a sua nota e a forma como você se sai numa prova.

Desde a banca, por exemplo, às vezes você está estudando para uma prova da FCC para tribunal há muito tempo e, de repente, sai uma prova do CESPE. Esta banca você não conhece e a tendência é você ir um pouco pior. Ou o contrário acontece, você vai um pouco melhor.

Às vezes, surge uma ou duas matérias novas que você não estava esperando que saíram no edital e não deu tempo de você se preparar bem, ou então eram matérias que você olhou, teve pouco tempo e não pegava o jeito da matéria e não conseguiu ir bem e era justamente um matéria muito importante. São várias coisas.

E você pode inclusive dar sorte. Quando eu estava estudando pelo meu edital de 2009 tivemos diversas novidades com relação ao edital de 2005 (eu sou Auditor da Receita Federal). Eu tinha muito tempo disponível para estudar, estava em casa e fazia 7 a 8 horas líquidas, eram apenas 2 meses e meio até a prova e aquela quantidade de matérias novas para mim foi uma notícia boa.

Eu tinha tempo de estudar tudo aquilo. Quem estava ralando, trabalhando, tinha só 3 ou 4 horas líquidas para estudar, talvez não tenha tido tempo. Para mim, esse foi um fator de sorte.

E eu dei algumas sortes ainda maiores como, por exemplo, na minha prova de Matemática, Raciocínio Lógico e Estatística (eram juntas), eram 20 questões desse conjunto e não sabíamos quantas questões teria para cada assunto.

Estava estudando Estatística e vi que era muito demorado para aprender (apesar de que estava aprendendo), mas muito demorado para fazer as questões. Não ia dar tempo de fazer todas as questões e, certamente, não iria ficar 10 ou 15 minutos para fazer uma questão de Estatística.

 

Então, chutei o balde, parei de estudar Estatística e resolvi correr esse risco.

 

No final das contas, das 20 questões, 5 eram de Estatística. Fiz uma e tive que chutar quatro. Dei aquele chute científico, eram 5 alternativas (prova da ESAF) e verifiquei qual foi a letra que menos marquei e vou chutar todas essas quatro nessa letra que menos marquei.

A ESAF tem essa tendência de espalhar a quantidade de respostas certas para cada letra. Fiz uma análise de quais letras tinha marcado e percebi que não tinha marcado nenhuma letra “A” (fiquei preocupado porque nas 16 questões que tinha feito não tinha marcado nenhuma letra “A”).

Chutei essas quatro na letra “A” e acertei três questões. A sorte tem que te pegar estudando, vamos dar uma facilitada para ela também.

Eu fui muito bem nas 16 questões, praticamente fechei essa prova de Exatas e, como não errei quase nada, ficou claro e fazia muito sentido que não tinha marcado a letra “A”, porque não havia nenhuma letra “A” (depois olhei e deveria ter marcado letra “A” e não marquei).

Então, me ajudou o fato de que estudei bem as Exatas, Raciocínio Lógico, Matemática etc. Pude renunciar a uma pequena parte do estudo e, mesmo assim, acertar as questões. O resultado que você tem em um concurso depende de inúmeras variáveis e de vários aspectos. Mas, o que você não pode é se julgar baseado em um resultado.

Você não pode pegar uma prova de 60 questões com 5 de Direito Constitucional e você errou todas ou acertou duas de cinco e achar que não sabe nada de Direito Constitucional, que é um absurdo e tomar a decisão de estudar tudo novamente. Não é assim.

 

Cinco questões não é uma amostra suficiente para julgar se você sabe ou não uma matéria.

 

Se você faz as questões em casa (dezenas ou centenas), divididas por assunto, você sabe seu percentual de acerto em cada assunto, aí sim, você tem uma análise estatística válida para lhe dizer em que assunto você está melhor ou pior.

Não pegue o seu resultado de uma prova com uma amostra pequena e se julgue muito duramente. Você pode ter ido muito bem por pura sorte ou você pode ter ido muito mal por puro azar. Lembrando sempre que nem todas as matérias nascem iguais, algumas têm mais pesos, outras costumam ter mais questões.

Sempre é interessante analisar o último edital para ver em que matéria você deve se debruçar na hora de estudar. Matérias que valem mais pontos, tem um peso maior e, por isso, merece mais tempo de estudo.

Mesmo que você não tenha fechado uma matéria menor, você vai dedicar maior tempo para a matéria maior porque ela vai valer mais pontos. Quanto mais você estuda uma matéria, maior é a tendência da sua nota ser melhor.

Sempre estudando daquela forma que falo aqui no meu canal, faça sua leitura, dê preferência a revisar via questões (isso favorece a memorização de longo prazo), vai anotando no seu caderno de erros o que você está errando, as decorebas, os detalhes e aquilo que você ainda não “pegou” na primeira ou na segunda leitura.

 

 

SAIBA MAIS:

Você sabe MENOS do que imagina! Veja por quê.

Sistemas de estudo

Concurso TJ-RJ – Como estudar! (vídeo disponível por 48h apenas)

 

E se você quiser conferir mais dicas sobre concursos como essa, coloque o seu e-mail no campo “Receba novidades” no final desta página, para receber novas informações semanalmente.

Me siga nas redes sociais para acompanhar mais conteúdo a respeito de concursos públicos!

Muito obrigado e até a próxima!

 

Compartilhe este post por meio dos links abaixo:

 

Deixe seu comentário Um comentário

  • Karol Chock disse:

    Olá Prof. Diogo, gostaria de saber se quando passou no concurso, foi possível escolher a cidade que iria trabalhar? Ou apenas te mandaram para x cidade?

Deixar comentário

Quer receber mais informações e ajuda sobre este e outros concursos?