Skip to main content

Como estudar para dois ou mais concursos ao mesmo tempo?

Por 14/09/2018janeiro 19th, 2019Dicas, Técnicas, Videos

Olá, meu nome é Diogo Moreira, sou Auditor-Fiscal da Receita Federal e estou aqui para te ajudar a sair dessa “vida bandida” que é estudar para concursos!

Como estudar para 2 concursos ao mesmo tempo? Como definir quais as matérias a serem vistas e em que ordem? Favorece um deles? Vai pegando uma matéria de cada? Confira!

 

Como estudar para 2 concursos ao mesmo tempo?

 

Esse cenário é muito comum. A maioria das pessoas, a maioria dos concurseiros nunca está de olho numa prova só, todo mundo está estudando para uma prova, mas dá vontade de fazer aquela outra…

Ou então não sabe qual rumo seguir, “ah, se eu estudar para essa prova aqui, dá para fazer aquela outra ali também?”.

Depende. Depende muito! Não existe uma fórmula exata.

O que eu vou falar aqui é sobre quais são as coisas que você tem que ponderar para decidir se dá para estudar para essas duas provas diferentes ao mesmo tempo ou não.

 

O primeiro aspecto é muito óbvio: tem que ter várias matérias em comum.

 

Se você analisou o edital dos 2 concursos e Direito Constitucional, Administrativo e Português são as únicas matérias em comum, me desculpe, esses dois concursos não têm matérias em comum. Essas 3 matérias não contam!

Mas, por exemplo, se você tem as 3 matérias em comum mais Informática, Administração Geral ou Pública e a cada concurso diferente tem 1 ou 2 específicas só, a coisa já começa a ficar um pouco mais tranquila.

Esse é um cenário muito comum para quem estuda para área de Tribunais. TRT, por exemplo, se você tirar o Direito do Trabalho e o Direito Processual do Trabalho, as outras matérias caem em quase todos os outros Tribunais. Sejam, TRE’s, TRF’s, TJ’s…

Varia de cargo para cargo, varia um pouco ali de banca para banca, de órgão para órgão, mas, normalmente, os Tribunais têm um conjunto de matérias em comum.

Afinal, todos têm Analistas Judiciários da área administrativa, e o Técnico Administrativo. E é comum também que a Administração Geral e Pública sejam cobrados nessas provas.

Então, várias delas têm um perfil muito parecido.

Aí, para Tribunais do Trabalho, você tem Direito do Trabalho, Processual do Trabalho… Para o Tribunal Eleitoral, você tem Direito Eleitoral… O TRF não tem nada muito específico não, mas ele costuma se envolver pelo Direito Penal, Processual Penal, Processual Civil… 

Então, você tem que comparar as duas provas, você tem que ver a quantidade de questões em comum.

O começo do seu estudo vai ser por essas questões em comum. Trabalhe essas questões primeiro, para depois você começar a escolher se vai inserir de 1 ou de outro.

Aí você pode inserir uma matéria de TRT, uma matéria de TRF, TRE, por exemplo… E aí você vai, aos poucos, adicionando essas matérias.

 

Mas, é uma coisa que não é exata, como eu falei.

 

Lógico, uma prova costuma estar muito mais próxima do que a outra. Dificilmente você vai estar com as duas ali quase saindo e tudo mais.

Então, você dá preferência a prova que está para acontecer mais cedo. Você vai dar preferência e inserir matérias específicas dela do que da outra.

E qual matéria do concurso mais distante você vai adicionar? Adiciona no seu ciclo aquela matéria mais difícil. Seja porque ela é mais extensa, vai demorar muito para ler, seja porque ela tem um grau de dificuldade maior, por ser uma matéria mais complexa…

Então, é bom você inserir essa matéria logo para não ficar muito perto da prova e você ter que aprender uma matéria complexa.

Outro exemplo seria a área fiscal. Quem está estudando para a Receita Federal, mas quer botar um “pezinho” nos fiscos estaduais, é interessante estudar a Legislação Tributária Estadual, como primeira matéria para botar esse “pezinho” fora, visando essas outras provas.

Porque é uma matéria difícil, é uma matéria de organização e muita decoreba também, mas, principalmente, é uma matéria muito importante na prova de Fisco Estadual.

Normalmente é a matéria com maior peso, que vale mais pontos na hora da prova.

Então, é muito interessante que você tenha algum contato preliminar com ela, para quando você desviar para o Fisco Estadual, no pós-edital, você já tenha tido um contato com ela, já tenha uma noção de como aquelas coisas funcionam.

 

Portanto, e aqui é uma das partes mais importantes: você não tem que ver os dois editais por inteiro.

 

Não é interessante, não vai valer a pena você manter matérias de todos os concursos, dos dois concursos ao mesmo tempo no seu ciclo, vai levar a uma queda de qualidade no seu estudo, você não vai conseguir aprender tanto quanto você poderia, você vai perder informação, vai ser difícil de revisar…Não é legal!

Dê preferência para o concurso que está mais próximo, se você não souber qual dos dois está mais próximo, dê preferência a um deles, qualquer que seja.

Dê preferência para aquele que tem as matérias mais difíceis, por exemplo, aquele que é mais puxado e aí você insere algumas, uma, duas, no máximo 3 matérias do outro concurso, dependendo do tamanho das provas, para ter um contato e deixar para correr atrás do outro concurso pós-edital.

Não tente pegar tudo dos dois ao mesmo tempo, não vai ser legal. Vai dar errado.

Como eu falei, não vai ser uma ciência exata, você vai ficar em dúvida em qual matéria colocar, eu sei. E não é exato mesmo. Se você tiver um coach, por exemplo, pode ser que ele escolha tais e tais matérias e, se você tiver um outro, ele escolha outras matérias…

Mas a ideia geral é essa: você dar preferência a um dos dois, pegar a matéria do outro que é mais difícil para ter algum contato e deixar parar correr atrás daquilo que seja ultra específico no pós-edital.

Se é uma matéria muito específica, só cai naquela prova exclusivamente e ela não é tão difícil, não é tão desafiadora assim, deixa para o pós-edital.

 

É normal você correr atrás de matérias após o edital. Eu mesmo fiz isso!

 

No concurso de 2005 da Receita Federal, tinha uma série de matérias, 2009, que eu foi o que eu fiz e passei, surgiram outras, teve algumas surpresas, e, pô, eu consegui estudar, eu estudei Civil, Penal e Comercial, eu estudei Economia, tudo isso pós-edital.

Então, assim, normalmente dá tempo. 

Não fique tentando dar o pulo do gato. É preferível que você fique muito craque nas matérias do último edital, a você ficar inserindo outras matérias que podem vir a ser cobradas.

As matérias que vêm como surpresa no Edital seguinte, elas tendem a não ser cobradas com grau de dificuldade tão elevado, ou com um peso tão grande quanto aquelas que já são clássicas na prova.

Então, é muito importante que você fique muito craque nas clássicas.

Se você está estudando para duas provas nesse momento, me conte aqui nos comentários quais são as provas, de que forma você está lidando com isso, vamos conversar!

 

ESTUDE COMIGO DURANTE 12 MESES!

 

O Coaching (mentoria ou consultoria) é um atendimento em grupo. Eu faço o seu planejamento de estudos inicial, dou acesso a dezenas de vídeos exclusivos com técnicas de estudo e abro espaço para todos os alunos conversarem e trocarem experiências de como estão estudando. CLIQUE AQUI para saber mais!

 

 

E-BOOK GRÁTIS – 9 PASSOS QUE ME LEVARAM À APROVAÇÃO EM 9 MESES

 

Neste eBook, conto minha trajetória e explico passo a passo o que você deve fazer para extrair o máximo dos seus estudos para concursos públicos:

 

9 PASSOS QUE ME LEVARAM À APROVAÇÃO EM 9 MESES

 

SAIBA MAIS:

 

COMO FAZER O ESTUDO POR VIDEOAULAS RENDER?

CURSINHO PARA QUÊ?

 

E se você quiser conferir mais dicas sobre concursos como essa, coloque o seu e-mail no campo “Receba novidades” no final desta página, para receber novas postagens.

Me siga nas redes sociais para acompanhar mais conteúdo a respeito de concursos públicos.

Muito obrigado e até a próxima!

 

Compartilhe este post por meio dos links abaixo:

Deixe seu comentário 9 comentários

Deixar comentário

Quer receber mais informações e ajuda sobre este e outros concursos?